Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 28 de abril de 2018

Falicismo, uma introdução

Stoibadeion (templo de Dioniso em Delos, Grécia):
Falos de mármore erigidos por Karystos (ou Carystios), cerca de 300 AEC
A partir deste post darei início a mais uma série de artigos especiais, desta vez dedicada à adoração do Falo (o órgão sexual masculino como símbolo dos poderes criativos da Natureza), um conjunto de crenças quase tão antigo quanto a humanidade e espalhado por todo o mundo, mas que nos tempos modernos é seguido quase que exclusivamente por homens gays, pelo menos em suas formas mais explícitas (pois o Falicismo, como veremos nesta série, pode ser atestado em diversos sistemas de crenças tradicionais, em graus variados de explicitação, como o Cristianismo, Hinduísmo, Budismo e Xintoísmo, entre muitos outros).

Então vamos conhecer um pouco mais sobre o Falo e o Falicismo?

Falicismo ou Falismo é o culto do princípio generativo simbolizado pelos órgãos sexuais masculinos, sobretudo o pênis (o Falo, especialmente quando ereto).

Pênis eretos de madeira.
Kuta, Bali, Indonésia
As mais importantes formas de rituais sexuais são aquelas que envolvem intercurso (sexo com penetração), acreditando-se que elas promovem a fertilidade; aquelas que liberam uma inundação de energia criativa ao romper limites; aquelas que fazem retornar uma cultura ao estado de caos primordial e poderoso (como as orgias durante os festivais de Ano Novo); ou aquelas em que o intercurso sexual simboliza a união dos opostos (como a alquimia ou o Tantrismo [um sistema de meditação esotérica hindu]).

Em outras tradições, objetos de adoração são representações do órgão sexual (como o Falo carregado nas procissões dionisíacas na Grécia e em Roma; o lingam masculino na Índia) ou divindades com genitais proeminentes (como Priapo na Grécia e Kurupi no Brasil). Nessas instâncias, os poderes de criação que o órgão sexual representa, mais que o órgão em si, são adorados.

Fonte

Fiquem atentos às futuras postagens sobre o assunto, galera. Ah, e uma pequena explicação: eu prefiro escrever o nome "Falo" com inicial maiúscula porque, seguindo os objetivos deste blog, considero-o o nome próprio da entidade que encarna as energias masculinas da Natureza, representada pela figura do pênis ereto. E será o próprio Falo o tema da próxima postagem desta série, em todo o seu poder e glória.

Deixem suas dúvidas, perguntas e sugestões nos comentários abaixo. Elas me ajudarão em futuros artigos.

Se você gostou desta matéria, deixe um comentário abaixo e/ou compartilhe o link nas redes sociais. Ajude o site HOMOTHEOSIS a se manter vivo!

Nenhum comentário:

Acompanhe-nos pelo Facebook

Calendário da Lua